FICA FRIO: UMA ROAD PEÇA

Cartaz para a divulgação do espetáculo Fica Frio

A peça de Mário Bortolotto, escrita em 1989, narra peripécias de dois irmãos de personalidades distintas que embarcam numa viagem sem rumo, Brasil a fora. Maurício, o rapaz de princípios conservadores, é incumbido pelo pai de trazer de volta para casa, Fernando, que caiu na marginalidade. Contudo, é ele quem acaba, mesmo sem querer, se enredando na desenfreada vida do irmão mais velho. 

 
FICHA TÉCNICA
Texto

Fica Frio: Uma Road Peça, de Mario Bortolotto

Direção

Nanci de Freitas

Assistente de Direção

Rodrigo Claro

 

Elenco

Arthur Batista Cordeiro

Fabrício Gabriel

Rodrigo Claro

Figurinos

Juliana Augusto

Trilha Sonora

Arthur Batista Cordeiro

Espaço Cênico e Iluminação

Nanci de Freitas

Vídeo

Arthur Batista Cordeiro

Produção

O grupo

Montagem de Som e Luz

Equipe técnica da divisão de teatro - DECULT/SR3

Coordenação

​César Germano

Cartaz da Peça

Arthur Batista Cordeiro

Programação Visual

Juliana Augusto

Fotos

Luiz Augusto Lobo

Figurinos

Juliana Augusto

Realização

Mirateatro! Espaço de estudos e criação cênica

 

Foto: Luis Augusto Lobo | Fica Frio
Foto: Luis Augusto Lobo | Fica Frio

Foto: Luis Augusto Lobo

Foto: Luis Augusto Lobo

 
FICA FRIO – O CAMINHO IMPORTA
MAIS QUE A CHEGADA
TEXTO DE NANCI DE FREITAS

Em 2010, o Mirateatro realizou uma pesquisa sobre teatro brasileiro contemporâneo, com estudos de textos sobre dramaturgia e encenação, no Brasil. As atividades culminaram com a leitura de diversas peças de Mário Bortolotto, autor paranaense radicado em São Paulo, provocando o entusiasmo do grupo, que optou pela experimentação cênica de Fica Frio: uma road peça.

A peça, escrita em 1989, narra uma aventura de dois irmãos que embarcam numa viagem sem rumo, Brasil a fora. Maurício, o rapaz de princípios conservadores, é incumbido pelo pai de trazer de volta para casa, Fernando, que caiu na marginalidade. Contudo, é ele quem acaba, mesmo sem querer, se enredando na desenfreada vida do irmão mais velho. Numa saga de delitos e fuga (alternando momentos dramáticos e cômicos), as circunstâncias levam os dois ao reconhecimento mútuo, desvelando as tramas do contexto familiar. As peripécias são mediadas pela narração do DJ de uma rádio, com uma trilha sonora embalada por rock and roll e jazz e por personagens episódicas, que ajudam a construir as situações enfrentadas pelos brothers.

Foto: Luis Augusto Lobo | Fica Frio

Foto: Luis Augusto Lobo

A influência das obras e do pensamento da Beat Generation (movimento literário norte-americano que se desenvolveu no período de 1944 a 1958) fica evidente tanto na temática quanto na estrutura da peça de Mário Bortolotto, que cita Jack Kerouac (autor de On the road, a bíblia da geração beat), um dos líderes do movimento, ao lado dos escritores Allen Ginsberg, William Burroughs, Neal Cassady, dentre outros. Os beatiniks abriram caminho para o movimento hippie e a contracultura dos anos sessenta, influenciando poetas, músicos, artistas, dramaturgos e cineastas de diversas gerações, passando pelos escritores Charles Bukowski e Sam Shepard e pela trilha sonora de músicos como Bob Dylan, Janis Joplin, Jim Morrison, Laurie Anderson, Tom Waits, Philip Glass, dentre outros. Além disso, o próprio subtítulo atribuído pelo autor de Fica frio à sua obra – uma road peça – faz relações óbvias com o road movie, gênero amplamente explorado pelo cinema americano (de Easy rider a Thelma e Louise), passando por filmografias mundiais, que incluem filmes de Ridley Scott, David Lynch, Jim Jarmusch, Gus Van Sant, Wim Wenders e do brasileiro Walter Salles.

O que parecia ser uma escolha confortável para a configuração do Mirateatro, no ano de 2010 (formado por três atores e uma assistente de produção), não demorou a revelar o enorme desafio de encenar a peça Fica frio, cuja estrutura épica se desenvolve por uma infinidade de lugares (quarto, estrada, rua, cidade grande, fliperama, becos) e de meios de transporte (carro, trem, ônibus, metrô).

O ritmo vai crescendo em velocidade alucinada, traduzido por diálogos rápidos, que emergem do fluxo tenso das mudanças de situação e de espaços, cortes bruscos de ação, num esquema que, apesar da fragmentação e da euforia, abre brechas para o embate dos conflitos e a revelação da humanidade dos personagens. Tudo junto exige grande fôlego e capacidade de jogo cênico dos atores.

No processo de experimentação cênica dos atores, foram utilizados procedimentos de “análise ativa” do texto (conforme Constantin Stanislavski), pelos quais a assimilação das circunstâncias e ações dos personagens ocorre por meio de exercícios corporais e improvisações dos atores, que se relacionam diretamente com o espaço de trabalho. A partir daí, foi possível delinear os elementos da ação dramática (enredo, conflito, personagens e objetivos) e sua concretude física no trabalho dos atores.

O texto de Mário Bortolotto nos convidou a fazer uma viagem. O desejo de imersão nesta trilha, pautada pela juventude e rebeldia, pelo sonho compartilhado pela amizade e pelo rock and roll, foi enorme. A metáfora era a da liberdade, mas, como o processo é para a arte, o caminho foi mais importante que a chegada. 

ROTEIRO: MARCAÇÕES DE CENA E LUZ
TEXTO DE NANCI DE FREITAS  |  Teatro Noel Rosa
Cena Abertura.JPG

Foto: Luis Augusto Lobo

ABERTURA

Apaga a LUZ da plateia. Quarto de hotel. Pouca luz.

Fernando deitado no colchonete. DJ lê um trecho do livro On the road e depois toca uma flauta. Atravessa o palco e vai para a mesa do DJ. Música On the nickel.

Atores se aquecendo no palco à meia luz. Nanci fala com o público

CENA 1

Quarto de Hotel

LUZ: a mesma. Fernando está deitado. Mauricio entra durante a música. Pega a arma e aponta para o irmão. Fernandodiz: “estou com fome, o dinheiro acabou, preciso arrumar mais”. Desce do palco.

Foto: Luis Augusto Lobo

CENA 2

Rua em frente à joalheria

LUZ clara: é dia – platéia iluminada até o corredor. Palco escurece.

Eles descem para a plateia. Fernando está na escada do lado direito, junto ao Maurício, que está segurando suas pernas. Fernando se solta e sai pela coxia esquerda.

LUZ geral no palco: Maurício, ao telefone. Fernando volta com as joias que roubou. 

Cena 3_edited.png

Foto: Luis Augusto Lobo

CENA 3

Carro

Som de sirene. Estrada.

LUZ: Foco para delimitar carro feito com duas cadeiras, do lado do direito.

Luz em DJ que diz um texto e coloca a música Key to the highway.

Maurício pergunta: “Porque você está saindo da estrada?”. Fernando: “Tem uma praia de nudismo”. Passa o surfista no proscênio. Descem do carro. Fernando finge urinar

CENA 4

Rua

LUZ na plateia, no corredor central, até o murinho. 

Fernando anda em direção ao murinho, do lado esquerdo e Maurício para o murinho do lado direito. Projeção de vídeo com fala longa de Maurício

CENA 5

Linha do Trem

LUZ no proscênio. - Os dois ficam correndo sem sair do lugar em frente ao palco, como se tentassem subir no vagão.  Fernando sobe e ajuda Maurício

Cena 5.JPG

Foto: Luis Augusto Lobo

Cena 6.JPG

Foto: Luis Augusto Lobo

CENA 6

Vagão do Trem

LUZ de entardecer. Projeção de estrada de ferro. Fernando deita no colchonete, ao dizer: “por que você não dorme, hein? Pelo que me consta você deve ter tido o dia mais agitado da sua vida.”. A luz vai fechando aos poucos até cair em resistência.

DJ – “São 24 horas…” Música: The and – The doors

CENA 9

Loja de Fliperama

Os dois jogam e depois se juntam no proscênio. Maurício fala: “você não sabe o quanto te odeio”.  Fernando diz: “tudo bem, toma um drink? Bebe gin? ... Sempre há uma primeira vez. É isso aí”.

CENA 10

Cena do Ônibus

Voz feminina anuncia a partida. Os dois seguem até as cadeiras para fazer a cena do ônibus. LUZ mais fraca delimitando a área. Painel com imagem de estrada passando, em moldura. DJ: Música Revolution - Cena da bala de caramelo.

Cena 10.JPG

Foto: Luis Augusto Lobo

CENA 11

Metrô de Sāo Paulo

LUZ GERAL (Duas cadeiras e uma arara são arrumadas durante a música, do lado esquerdo, para fazer o metrô). Arthur passa por trás da cena com uma gaita, num estilo hippie. Para do outro lado do palco para tocá-la.

CENA 13

Estação Liberdade

LUZ GERAL. Voz em off anuncia: “Estação Liberdade”. Os dois descem do palco. Arthur troca de acessórios e vira um japonês caricato. Durante a fala do Maurício, Arthur volta para a mesa de som.  

Fica Frio 3.JPG

Foto: Luis Augusto Lobo

CENA 14

Cena do Policial

LUZ escura - pesadelo. Rodrigo diz: “Deixa o garoto em paz”. Luz vai abrindo em resistência. Eles acordam do pesadelo.

CENA 13

Estação Liberdade

LUZ GERAL. Voz em off anuncia: “Estação Liberdade”. Os dois descem do palco. Arthur troca de acessórios e vira um japonês caricato. Durante a fala do Maurício, Arthur volta para a mesa de som.  

Professora

 

Atualmente, é professora na na empresa Wizard. Graduada em Historia da Arte no Instituto de Artes da UERJ. Integrou a equipe do Mirateatro como  Estágio Interno Complementar.

CENA 17

Estrada com Caminhoneiro

LUZ no proscênio.  O Caminhoneiro aparece na escada à esquerda. Os dois, de pé, em frente ao palco conversam com o Caminhoneiro. 

Cena 17 - Caminhoneiro.JPG

Foto: Luis Augusto Lobo

Cena 18.JPG

CENA 18

Cena de Rua

LUZ na escada à direita. Maurício sentado na escada e Fernando em pé. Os dois saem abraçados em direção a plateia. Fernando diz: “eu sinto muito. Toma aí”. Dá um par de óculos para o irmão.

Foto: Luis Augusto Lobo

CENA 19

Leão de Chácara

LUZ na plateia e no palco. DJ no palco. 

Cena 19 - FOTOS Luiz Augusto Lobo.JPG

Foto: Luis Augusto Lobo

CENA 20

Cena na Rua

LUZ na plateia. Eles sobem para o palco. Fernando sai de cena e volta quando Maurício diz: “hey, onde você vai?”. Os dois ficam olhando um para o outro, no meio do palco, sem se mover. Rodrigo sai quando fala: “você tá falando menos”.

Foca Frio - Cena 22.jpg

Foto: Luis Augusto Lobo

CENA 22

Cena do Beco

LUZ escura. A cena acontece no meio do palco. Maurício decide ir embora e sai pela plateia. Fernando fica no palco, olhando o irmão que atravessa a platéia. Fernando sorri.

Entra música de Bob Dylan. LUZ vai caindo em resistência sobre Fernando. 

 

FIM

 
PROPOSTA DE FIGURINOS E ADEREÇOS
POR JULIANA AUGUSTO
Acessórios - Óculos - minha preferência.jpg

ÓCULOS

1. Preferência

Acessórios - Óculos - Alternativa.jpg

2. Alternativa

Acessórios - DJ - headphone.jpg

HEADPHONE

Para DJ

Média de R$30

Acessórios - faixa que se usa na testa.jpg

JAPONÊS

Faixa que usa na testa

Acessórios - Peruca.jpg

PERUCA FEMININA

(Cena 10)

 

 

 

Eu tenho essa peruca loira que posso emprestar

PERUCA DE HIPPIE

Custa no máximo R$20. Posso ver se consigo emprestado.

POLICIAL

Procurar quepe policial no Centro.

 

CAMINHONEIRO

Boné e cigarro.

Acessórios Maurício + Fernando | Fica Frio

Maurício o da esquerda, mas sem essa jaqueta por cima. Só a blusa social e o colete.

 

Fernando o da direita.

 

Arthur ficaria básico, de jeans e camiseta (pensei em azul, pra dar uma diferença da cor do figurino p&b do Maurício e Fernando).

Foto: Luis Augusto Lobo | Juliana e Arthur | Ensaio de Figurinos para Cena 13 | Fica Frio

Foto: Luis Augusto Lobo

Juliana Augusto

Juliana Augusto estudou História da Arte no Instituto de Artes da UERJ (2012). Integrou a equipe do Mirateatro como bolsista de Estágio Interno Complementar, tendo participado do processo de encenação dos espetáculos Zona de risco e Fica Frio, como assistente de produção e de figurinos. Atualmente, é professora de inglês na empresa Wizard. 

Arthur Cordeiro prova figurino do personagem japonês, com Juliana Augusto.

 
TEASER DE FICA FRIO
Narrativa da aventura de dois irmãos numa viagem sem rumo pelo Brasil, inspirada na Geração Beat e no road movie. Vídeo: Arthur Cordeiro; Ator: Fabricio Gabriel Cena de Fica Frio, peça de Mário Bortolotto, de 1989. Uma experiência cênica dirigida por Nanci de Freitas, em 2010, no Mirateatro! Espaço de estudos e criação cênica.

Clique na imagem abaixo para acessar o vídeo através do canal do YouTube do Mirateatro

Capa Fica Frio Youtube.jpg